Thumbnail Image

A Resposta dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento à COVID-19

Destaques: segurança alimentar, nutrição e sistemas alimentares sustentáveis











FAO. 2020. A Resposta dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento à COVID-19: Destaques: segurança alimentar, nutrição e sistemas alimentares sustentáveis. Rome.



Related items

Showing items related by metadata.

  • Thumbnail Image
    Brochure, flyer, fact-sheet
    La respuesta de los pequeños Estados insulares en desarrollo a la COVID-19
    realzar la seguridad alimentaria, la nutrición y los sistemas alimentarios sostenibles
    2020
    La pandemia de la COVID-19 está amenazando la seguridad alimentaria, la nutrición y la resiliencia al cambio climático de los Pequeños Estados Insulares en Desarrollo (PEID), que comparten numerosos rasgos, como la dependencia del comercio internacional y de los alimentos importados, la vulnerabilidad al cambio climático y la malnutrición. En esta nota de orientación se destacan algunos de los impactos identificados y potenciales de la crisis de la COVID-19 en los sistemas alimentarios de los PEID, así como ejemplos de las medidas de respuesta rápida adoptadas por los PEID, órganos regionales, instituciones financieras y la FAO. La nota plantea una serie de recomendaciones que van desde las medidas normativas y fiscales para mantener vivas las cadenas de suministro alimentario hasta las acciones para cubrir las necesidades de las personas más vulnerables y potenciar la producción nacional de alimentos. También propone un papel destacado de los gobiernos locales en la coordinación de las respuestas y señala oportunidades para la digitalización de la agricultura, del comercio electrónico y de la banca móvil.
  • Thumbnail Image
    Brochure, flyer, fact-sheet
    Sistemas alimentares seguros e sustentáveis em época de mudanças climáticas aceleradas 2019
    O mundo enfrenta obstáculos globais sem precedentes que impactam a sustentabilidade dos sistemas agrícolas e alimentares e os meios de vida dos pequenos proprietários rurais e dos agricultores familiares em todo o globo. Os problemas incluem o esgotamento dos recursos e os impactos negativos da degradação ambiental, tais como a desertificação, seca, degradação do solo, escassez de água, poluição e a perda de biodiversidade, mudanças climáticas e o aumento contínuo da população mundial. Tais desafios em conjunto, representam uma séria ameaça à segurança alimentar. A fome e a desnutrição crônica aumentam e doenças preveníveis transmitidas por alimentos seguem afetando milhões anualmente. Estima-se também que até 2050 a crescente população mundial poderá exigir em alimentos o dobro do produzido em 2012. Um problema exacerbado pela perda ou desperdício de cerca um terço dos alimentos produzidos globalmente , a maior parte atribuível a pontos fracos na segurança alimentar e gestão de qualidade nas cadeias de valor. Portanto, todos os setores agrícolas: culturas agrícolas, pecuária e aquicultura se encontram numa encruzilhada. E os aumentos na produtividade agrícola exigem que os impactos ambientais negativos sejam não só minimizados, mas revertidos. Isso representa uma mudança do paradigma agrícola na direção de uma intensificação sustentável preparada para choques e alterações, tais como a variabilidade climática e crises emergentes e re-emergentes em segurança alimentar. São necessárias respostas no nível nacional, internacional e intersetorial, bem como políticas, em capacitação e inovação, além de incentivos para se enfrentar as incertezas na segurança alimentar, associadas ao passo acelerado das mudanças naturais, tecnológicas, demográficas e sociais.
  • Thumbnail Image
    Brochure, flyer, fact-sheet
    Fundo Fiduciario de Solidariedade Africana (ASTF)
    Transformando recursos em solucoes para o desenvolvimiento. Relatorio Final 2014-2018
    2019
    O Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana (ASTF, na sigla em inglês) é um fundo inovador, liderado por países do continente africano, destinado a apoiar iniciativas de desenvolvimento locais. O Fundo foi lançado oficialmente em junho de 2013 na Conferência Regional da FAO para a África (ARC), com um financiamento inicial de US$ 40 milhões, sendo US$ 30 milhões da Guiné Equatorial e US$ 10 milhões de Angola. Além disso, o ASTF também recebeu uma contribuição simbólica (cerca de US$ 200 apenas) de um grupo de Organizações da Sociedade Civil da República do Congo. O ASTF foi fundado como um instrumento liderado por países do próprio continente para o financiamento conjunto, sem beneficiários pré-definidos, para apoiar prioridades nacionais, regionais e sub-regionais, em total alinhamento com o Quadro Estratégico revisto da FAO. Seu principal objetivo é fortalecer a segurança alimentar em todo o continente, ajudando os países e suas organizações regionais a erradicar a fome e a desnutrição, eliminar a pobreza rural e gerir os recursos naturais de maneira sustentável. Este resumo apresenta os principais resultados alcançados pelo ASTF em apoiar as iniciativas da África para a África nas áreas da alimentação e agricultura. O Fundo já financiou 18 programas/projetos em 41 países entre 2014 e 2018.

Users also downloaded

Showing related downloaded files

No results found.